segunda-feira, 4 de julho de 2011

Bahia é um dos estados com melhor desempenho no combate à pobreza


O bom desempenho da Bahia no combate à pobreza foi destaque do debate Dimensão e a Medida da Pobreza Extrema no Brasil – O Caso da Bahia, que reuniu gestores estaduais, o diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Jorge Abrahão, e representantes da sociedade civil, ontem (1º), no Hotel Sol  Bahia, em Salvador.
O Ipea está apresentando o seminário em 15 estados brasileiros, traçando a linha nacional da extrema pobreza. O instituto utiliza o conceito de pobreza extrema como “o estado de privação de um indivíduo cujo bem-estar é inferior ao mínimo que a sociedade à qual ele pertence julga obrigada a garantir”. Nesse contexto, são considerados pobres extremos aqueles com renda mensal per capita inferior a R$ 70.
“A Bahia está crescendo com uma velocidade superior à do Brasil e está conseguindo fazer com que este crescimento chegue à população mais pobre. Mantido este movimento, é possível se erradicar a pobreza extrema”, destacou Abrahão. Segundo ele, de 2004 a 2009, a redução da pobreza no estado foi de 10,6 pontos percentuais, enquanto no país foi registrada uma redução de 7%.
Abrahão disse também que na Bahia, segundo o IBGE, são cerca de 2,5 milhões de pessoas vivendo na pobreza extrema, aproximadamente 200 mil somente na cidade de Salvador e, na região metropolitana, em torno de 300 mil. Para o diretor do Ipea, o Vale do São Francisco é a região onde há maior concentração da pobreza.
Ele enumerou as características que ajudarão a Bahia a obter sucesso na missão de erradicar a pobreza extrema. “É um estado rico, tem uma estrutura diversificada em termos de produtividade, tem indústrias, agronegócio, estrutura de serviços, minérios, e tem governantes compromissados em transformar esta situação, com crescimento expressivo, como mostram os números, principalmente da renda média”.
ESFORÇO INSTITUCIONAL - A secretária da Casa Civil do governo da Bahia, Eva Chiavon, declarou que, para se chegar aos resultados apresentados pelo Ipea, foram fundamentais a aposta na educação, seja com a alfabetização, que alcançou mais de um milhão de baianos, seja na educação profissional, a transferência de renda, que em 2011 está colocando cerca de R$ 172 milhões por mês nas mãos dos mais pobres, aquecendo a economia local, as políticas voltadas para a agricultura familiar e o programa Água para Todos, que beneficiou 2,87 milhões de baianos.  
Ela afirmou que o governo da Bahia vai continuar colaborando, se envolvendo e aportando estratégias e recursos financeiros e humanos para atingir a meta de erradicação da pobreza. “Já estamos trabalhando para a inclusão produtiva da população mais carente em ações urbanas e rurais”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário