sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Editorial: 02 dezembro de 2011


A raiz de um problema

Perseguições policiais, assaltos, tiroteios, tráfico de drogas rendendo muito dinheiro e conduzindo seus protagonistas a uma vida de status ante suas comunidades. Assassinatos, acertos de contas entre quadrilhas rivais, e por aí vai. Tal realidade bem que poderia figurar um roteiro de um desses longas metragens que se utilizam da violência como carro-chefe. E com certeza se há uma temática que ajuda a vender bilhete de cinema, sem dúvidas a espetacularização da violência é um deles. Prova disso é a enxurrada de enlatados norte-americanos que invadem nossos lares. Neles, quase sempre após uma longa trama envolvendo criminosos e os mocinhos, o bem sempre vence no final. Afinal de contas é isso que as nossas consciências esperam ante essas situações. Mas, infelizmente, na vida real, as coisas não são bem assim. Aliás, é fácil perceber que na realidade cotidiana, a criminalidade está longe de ter um final comumente visto nos filmes, e lamentavelmente ela está ganhando de goleada. Alguém duvida disso?
Segundo dados divulgados recentemente pela Unicef, a Bahia teve o maior crescimento na taxa de homicídios entre adolescentes de 12 a17 anos entre 2004 e 2009. De acordo com os dados levantados pela instituição, no período, o crescimento foi de 261%. O estudo concluiu categoricamente: A adolescência baiana está na mira do crime. É óbvio que isso não é nenhuma exclusividade do nosso estado, e mais óbvio ainda é que a situação é percebida em todo o país. Mas, como vivemos na Bahia, temos que ajustar o nosso foco para a realidade vivida por aqui. Melhor ainda, analisemos a realidade aqui mesmo em nossa cidade, que com certeza reflete a que é vivenciada em boa parte do Brasil: O crime exerce uma grande atração nos jovens. Isso é fato, em especial àqueles pobres, residentes nos chamados bolsões de miséria, sem muitas perspectivas de vida, esquecidos pelo estado e que veem em práticas marginais, em especial o tráfico de drogas, um das únicas alternativas de obtenção de renda. Ou melhor, dinheiro fácil, farto, status e liberdade para comprar tudo aquilo que lhe é oferecido nas vitrines da nossa doentia sociedade de consumo.
Ante isso, podemos concluir que não vivenciamos um mero problema de segurança pública, e sim um grave problema social, com profundas raízes históricas e de abrangência bem maior e não solucionado com o aumento do efetivo de policiais e nem a criação de mais vagas nas penitenciárias. É necessário suscitar nesses jovens, que muitas vezes são taxados de culpados, mas que ao nosso ver são vítimas do sistema, valores que a cada dia andam mais em desuso. Eis uma missão nada fácil, mas que devem começar a ser trabalhados com algumas ações, a exemplo do incentivo sério à práticas esportivas, investimentos pesados na cultura, incentivando a formação de músicos, atores, etc. Com certeza seria um bom início para um desfecho típico de filmes “holywoodianos”, ou seja, com  um final não tão trágico como se percebe cotidianamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário